BEM VINDO AO BLOG DA FENET.

A FENET foi construida para organizar a luta dos estudantes do ensino técnico. Todos os dias os estudantes vem sofrendo cortes na educação, essa é a hora de nos organizarmos!

BEM VINDO AO BLOG DA FENET.

A FENET foi construida para organizar a luta dos estudantes do ensino técnico. Todos os dias os estudantes vem sofrendo cortes na educação, essa é a hora de nos organizarmos!

BEM VINDO AO BLOG DA FENET.

A FENET foi construida para organizar a luta dos estudantes do ensino técnico. Todos os dias os estudantes vem sofrendo cortes na educação, essa é a hora de nos organizarmos!

BEM VINDO AO BLOG DA FENET.

A FENET foi construida para organizar a luta dos estudantes do ensino técnico. Todos os dias os estudantes vem sofrendo cortes na educação, essa é a hora de nos organizarmos!

BEM VINDO AO BLOG DA FENET.

A FENET foi construida para organizar a luta dos estudantes do ensino técnico. Todos os dias os estudantes vem sofrendo cortes na educação, essa é a hora de nos organizarmos!

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Vem ai o ENE - Encontro Nacional de Educação

 
 Vivemos um momento de lutas na sociedade brasileira, marcado pelas grandes manifestações de junho de 2013 e por diversas greves dos trabalhadores em 2014, nas quais uma das principais reivindicações foi uma educação pública, gratuita e de qualidade. E para garantir um espaço para que toda a sociedade discutisse um novo modelo de educação,alguns entidades estudantis,sindicatos e movimentos sociais estão organizando o ENE (Encontro Nacional de Educação), que se realizará do dia 8 a 10 de agosto deste ano, no Rio de Janeiro.

 
     Apesar de o Brasil ser um dos países mais ricos do mundo, a educação, além de ser para poucos, continua excluindo o povo da participação política e visa somente formação de trabalhadores capazes de produzir, no entanto sem condições de pensar. Sendo assim, se coloca para todos nós a necessidade de se lutar por um novo projeto de educação. Uma educação para a emancipação dos trabalhadores e da juventude. Uma educação que ensine, produza conhecimento, mas também que contribua na construção de uma nova sociedade, sem exploração e opressão, onde todos sejam iguais e possam desfrutar do fruto do trabalho coletivo da sociedade.
    Os governantes brasileiros não fazem questão de disfarçar a falta de prioridade quando se trata de educação, o Plano Nacional de Educação elaborado para vigor de 2011 a 2020, sancionado no dia 25/06 confirma essa politica de privatização e mercantilização da educação. Além disso, não aborda temas fundamentais, como por exemplo, a democracia nas universidades e continua fortalecendo os tubarões de ensino, já que não vincula o investimento de 10% do PIB somente em educação pública. Enquanto isso continuamos com 13,2 milhões de analfabetos no país, apenas 15% dos jovens cursando o ensino superior, as universidades e escolas públicas cada vez sendo mais sucateadas, a terceirização destruindo os direitos dos trabalhadores, etc.
      O ENE, por sua vez, deve ser o espaço onde discutamos esse novo projeto, na qual todos possam participar e contribuir. Não podemos deixar esta oportunidade passar, temos que fazer do ENE um marco nessa luta por um novo projeto de educação. Por isso o movimento Rebele-se convida todos os estudantes brasileiros para esse encontro que fomentará o debate educacional e dará um novo fôlego as reivindicações históricas do movimento estudantil.
Eixos principais dos debates:
-Privatização e mercantilização da Educação: das creches a pós graduação;
-Financiamento da Educação Pública;
-Precarização das atividades dos trabalhadores da Educação;
-Avaliação meritocrática na educação;
-Democratização da educação;
-Acesso e Permanência;
-Passe Livre e Transporte Público. 



PARA PARTICIPAR DO ENE ENTRE EM CONTATO CONOSCO PELO EMAIL FENETBRASIL@GMAIL.COM OU PELO FACEBOOK : FENET BRASIL



domingo, 13 de julho de 2014

Mais um Grêmio na luta!



       No dia 21 de junho começava no IF-SC, campus Florianópolis, o período de campanha eleitoral do Grêmio Estudantil Livramento. Concorrendo ao pleito: a chapa 1, Roda Viva - Para Continuar Avançando, e a chapa 2, Delta;


      A chapa 1, sendo chapa de reeleição, já havia construído anteriormente, como gestão, um histórico de luta dentro e fora do campus, participando de inúmeros espaços de formação e debate político, como congressos e encontros estudantis, conseguindo assim, proporcionar aos estudantes do campus muito mais do que apenas uma assistência, tornando os mesmos protagonistas destas lutas, promovendo grandes oportunidades para o crescimento individual e conscientização política de todxs!

Grande exemplo disso foi a participação da bancada do campus Florianópolis no Encontro Nacional Dos Estudantes em Ensino Técnico, espaço que rendeu bons frutos para o movimento estudantil na instituição, trazendo debates como o da restrição da meia entrada e da própria construção da FENET.

     Voltamos deste encontro com uma das duas diretorias da regional sul e com a missão de trazer esta federação para cá, começando pela construção do Encontro Regional Sul dos Estudantes em Ensino Técnico. A gestão começou portanto, a se articular para o período eleitoral, buscando a reeleição. 

     Foram 3 meses de intensa mobilização, com uma campanha voltada para as necessidades locais dos estudantes do campus, como a luta pelo restaurante estudantil, incentivo ao esporte, incentivo arte, a cultura, aumento da assistência estudantil e continuidade aos projetos de conscientização e construção do movimento estudantil.
     No decorrer da campanha a crescente organização e dedicação dos membros da chapa culminaram nos 230 votos, mesmo em fim de período, que nos levaram a vitória!
Sendo a única chapa a propor esta construção, a reeleição da chapa 1, Roda Viva - Para Continuar Avançando é também uma vitória da FENET!





Por: Karinny Simas Peixoto
Diretora da Regional Sul

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Organizados pelo Grêmio Estudantil, FENET e SINASEFE, estudantes e servidores realizam "Rangaço" em defesa do Restaurante Estudantil no IFSP!

No dia 25 de junho os alunos organizados pelo Grêmio Livre Estudantil Charles Chaplin, pela FENET e servidores do IFSP Campus São Paulo se manifestaram a favor da construção do restaurante estudantil e da utilização da verba para a merenda, pois mesmo comportando cursos do ensino médio-técnico, técnico modular, educação de jovens e adultos e curso superior não existe nenhum projeto ou infraestrutura que garante a alimentação de qualidade gratuita ou de preços acessíveis para os estudantes.

Os estudantes do ensino médio integrado ao técnico têm aula em período integral, assim passando mais de dez horas por dia no instituto. Porém, não tendo um restaurante estudantil eles são obrigados a se alimentar no shopping ao lado do campu pagando caro numa alimentação ruim ou tendo que disputar espaço num refeitório que tem capacidade máxima 50 alunos, para comer sua marmita requentada, sendo que somente o ensino médio integrado têm em média 1200 estudantes.
Por estarmos nessas condições a coordenadoria de física aliada ao SINASEFE , e o Grêmio Livre Estudantil Charles Chaplin, com o apoio da FENET, construiu o 1º Rangaço, um almoço coletivo nos espaços de circulação do instituto  para denunciar a falta de estrutura e a grande necessidade que os estudantes têm de se alimentar devidamente.

Participaram mais de 150 pessoas que subiram à reitoria protestando, exigindo seus direitos e almoçando nos corredores da reitoria, para exigir a aceleração do projeto do restaurante estudantil e da utilização imediata da verba para a merenda.
Nossa luta continuará, pressionando, realizando atos e manifestações até recebermos uma resposta concreta de ação dos órgãos responsáveis e conquistarmos nosso direito à alimentação de qualidade com preços acessíveis.



#BandejãoJá
#EuNãoAbroMãoQueroMinhaVerbaPraAlimentação
Por: Guilherme Brasil – Diretor Regional Sudeste 1 da FENET


terça-feira, 8 de julho de 2014

FENET participa do II Encontro de Lideranças do Instituto Federal Farroupilha - RS


Nos dias 25 e 26 de junho o Câmpus Jaguari sediou a segunda edição do Encontro de Lideranças Estudantis do Instituto Federal Farroupilha. O evento contou com 42 participantes, entre representantes de Centros Acadêmicos, Grêmios Estudantis dos campi, além de professores e palestrantes convidados, entre eles o tesoureiro Federação Nacional dos Estudantes do Ensino Técnico (FENET), Carlos Henrique. Ao longo do Encontro os participantes trabalharam na criação de uma Carta de Intenção para ser encaminhada aos gestores do IF Farroupilha. 
A programação contou com o relato das experiências vividas pelas alunas Ana Paula, Larissa e Lucia Emanueli, durante o Encontro Nacional dos Estudantes de Escolas Técnicas - ENET 2014, as quais representaram não só o IF Farroupilha, mas também o estado do Rio Grande do Sul. Foram destacados principalmente pontos que envolvessem a importância dos Grêmios Estudantis nas soluções dos problemas dos campi. Para Lucia, presidente do Grêmio Estudantil Honestino Guimarães do Câmpus Santo Augusto e diretora da FENET, “Quem faz o futuro são os estudantes, eles têm um olhar diferente. Só precisamos nos organizar e correr atrás. É importante mobilizar todo mundo, pois quanto maior o número de pessoas, maior a pressão que podemos exercer para que as coisas aconteçam".

Durante a sua participação no Encontro, Carlos Henrique exaltou a iniciativa do IF Farroupilha em oferecer a oportunidade de uma maior união entre as lideranças dos campi, podendo criar assim um movimento estudantil cada vez maior e mais combativo em defesa dos estudantes com. Além disso, destacou a importância de fortalecer as lutas em defesa de um ensino técnico de qualidade juntamente com a FENET.
O Encontro foi de extrema importância para a criação de um vínculo e uma maior troca de experiência entre as lideranças presentes. Agora nosso objetivo é fortalece o movimento estudantil, através dos Grêmios Estudantis e dos Diretórios Acadêmicos, em todos os campi do IF Farroupilha, para que assim, possamos obter inúmeras conquistas.
Por: Lucia Emanueli Schimith - Diretora Regional Sul

quinta-feira, 26 de junho de 2014

O governo é o maior responsável pelos quase 70 dias de greve.

Os servidores da educação básica, profissional e tecnológica estão em greve a quase 70 dias e governo federal continua mostrando que não tem nenhum compromisso com a educação do nosso país. Pois além de não ouvir aqueles que são responsáveis por construir cotidianamente a educação brasileira, está tentando tornar ilegal a greve do servidores. Na semana passada o STJ (Superior Tribunal de Justiça) expediu uma liminar que considerava a greve ilegal, mas os sindicatos conseguiram derrubá-la. 

Como é possível um governo não ter nenhuma prioridade com um setor tão importante? Hoje o país , investe cerca de 4% do PIB (Produto Interno Bruto) em educação, tem um PNE - Plano Nacional de Educação - que passou quatro anos para ser aprovado e  sequer defende dinheiro público para a educação pública. Entretanto não mede esforços para atender a FIFA com a construção de estádios de futebol, contudo não se vê esses esforços para a construção de escolas.


Nós estudantes não gostamos de viver períodos de greve, mas entendemos que a greve é a última alternativa daqueles que lutam em defesa da educação. O governo Federal que tem sido omisso em apreciar, discutir e negociar com os servidores é o grande responsável pela deflagração e permanecia da Greve. Por isso exigimos que o Governo atenda as justas reivindicações dos trabalhadores federais da Educação Básica e Tecnológica das Instituições Federais, com soluções efetivas as demandas apresentadas e assim demonstrar compromisso de uma educação pública, gratuita, de qualidade.



sexta-feira, 13 de junho de 2014

Primeiro dia da Copa do Mundo é marcado por atos em todo o país.

         Dia 12 de junho foi marcado por diversos atos que denunciaram os altos gastos da copa e o descaso do governo federal com as áreas sociais, em especial a educação. Essa data ficou marcada na historia como uma data de lutas por um país melhor.
 A FENET esteve presente em atos no Rio de Janeiro, Belo Horizonte, São Paulo, Bélem, Alagoas e outros estados do país para fortalecer a luta por um educação de qualidade e por mais direitos para a juventude.
   Em Alagoas por exemplo, professores e servidores federais se uniram para reivindicar melhorias na educação, e forçar o governo a abrir negociação com os mesmos. Eles não estavam sozinhos , a FENET também ocupou as ruas  para garantir direitos ao professores e estudantes .A luta dos professores é justa e nós compadecemos da causa, estamos juntos por uma educação padrão FIFA.


                                                                                                                                                  FOTO: Diretor da FENET e estudantes do IFAL

quarta-feira, 28 de maio de 2014

23 de Maio - Jornada Nacional de Luta contra a restrição da Meia Entrada.

    Dia 23 de Maio a FENET realizou diversos atos pelo país contra a restrição da Meia Entrada. Conquistado a partir da organização e da luta dos estudantes brasileiros a meia entrada é um direito bastante popular. Mas a meia entrada não agrada a todos, ela sempre foi perseguida pelos empresários da cultura e outros setores   da   sociedade que   se  
incomodam   em   ver   a  juventude ocupando os espaços culturais das cidades brasileiras.
       Este foi um dia de muito agitação e denuncia sobre a tentativa de restringir ao direito dos estudantes de pagar a metade do valor do ingresso dos cinemas, shows, teatros, jogos esportivo e outros eventos que contribuem com sua formação e com a socialização da juventude.
Durante o ato dois estudantes do grêmio do IFMG - Ouro Preto foram detido, entre eles estava Luiz Paulo diretor de Comunicação da FENET. Apesar da repressão não aceitaremos este ataque ao nosso direito e o dia 23 de Maio foi apenas o inicio de um jornada de luta para barrar este golpe ao nosso direito. 
  

   
                                                                                                       


                      Sou estudante,cara pintada e vou para rua defender a meia entrada!

sábado, 24 de maio de 2014

Depoimento de Luiz Paulo - Diretor da FENET detido durante o Ato Nacional contra a restrição da Meia Entrada

   Bom, no último ENET (Encontro Nacional dos Estudantes em Ensino Técnico) foi aprovado uma jornada nacional de lutas contra a restrição da meia entrada cultural e a partir daí começamos a nossa organização.A nossa organização e preparação para o ato no IFMG e OP estava a todo vapor, faixas e cartazes tudo pronto  depois de uma semana de mobilização, reunimos na portaria do campus para descermos para Praça Tiradentes em Ouro Preto – MG e muitos estudantes não tinha como pagar a  passagem cara da nossa cidade,  e tendo em vista que o local era longe e a passagem cara e então “pulamos a roleta”.“Pulamos a roleta”, para que a trocadora e nem o motorista arcasse com a despesa, principalmente pelo fato de sabermos que eles são trabalhadores e estão lá para ganhar o seu “pão de cada dia”.Entretanto a trocadora e o motorista furiosos pelo fato de não termos pago passagem e (passagem a qual nem eles pagariam por não ter sido registrada na roleta), chamou a policia militar.  Com a chegada da policia um companheiro do grêmio menor de idade (que também foi detido)correu, e foi segurado pelo motorista e eu estava na manifestação puxando palavras de ordem e agitando os estudantes.O policial veio em minha direção e  disse:  “quem pulo a roleta do ônibus? “  eu o repondi que foi todos nós.  Quando ele pegou em meu braço e disse para eu entrar na viatura e ai perguntei o porque e ele disse que estava sendo detido por incitar a desordem e por não ter pago a passagem, pedi para esperar um pouco e foi ai que ele se alterou e com um tom de autoridade me mandou entrar na viatura, onde o companheiro Filipe já se encontrava e estava desesperado por estar sozinho e por estar sendo pressionado a contar quem estava junto.Quando estávamos sendo conduzido a delegacia, ouvimos dos policiais “manifestante tem que apanhar mesmo”, “são tudo vagabundo”, “era bom no período dos militares, que não tinha essa bagunça”, e vários outros insultos, a todo momento eles perguntando quem eram as outras pessoas que estavam com a gente e dizendo que se contássemos quem era, seria melhor pra nós, nos intimidando.Chegando lá, estava o motorista, a trocadora e os policiais, todos querendo saber quem eram as outras pessoas. Então a mãe do menor de idade chegou e em pouco tempo chegou o advogado do SINASEFE e o servidor do IFMG, que vieram se solidarizar e nos ajudar nessa luta.Enfim, ocorreu tudo bem, fizemos um B.O e em breve teremos audiência. A luta continuará e dela eu não me retiro!
   Gostaria de agradecer ao meu partido – Partido Comunista Revolucionário, que desenvolveu toda minha linha ideológica do que é ser um jovem comunista revolucionário, que me ensinou que a cada repressão a nossa luta deve se intensificar ainda mais, que me ensinou a JAMAIS abandonar um companheiro seja ele qual for.Tenho que agradecer ao SINASEFE IFMG, por todo apoio prestado, à FENET por ter lançado uma campanha nacional pela minha libertação, aos companheiros do Grêmio Livre Estudantil Voz Ativa dos Estudantes, e a todos meus amigos e estudantes que lá compareceram e me deram apoio.

 “Morrer pela REVOLUÇÃO dá sentido à vida!

                                                    Foto tirada no momento que Luiz Paulo deixou a delegacia.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Liberdade para Luiz Paulo

A Federação Nacional dos Estudantes em Ensino Técnico convocou para hoje, 23 de Maio , uma jornada nacional de luta contra a restrição da meia entrada,direito dos estudantes que está sendo atacado pelo governo e pelos empresários. O diretor de comunicação da FENET e presidente do Grêmio do IFMG - Grêmio Estudantil IFMG-Ouro Preto foi preso durante o Ato da Jornada Nacional de Luta contra a restrição da meia entrada.Neste momento ele está na delegacia. A FENET está entrando em contato que nossos aliados e fazendo uma campanha pela liberdade do Luiz Paulo e o advogado do sinasefe/Ouro Preto já está a caminho da delegacia.

Publicaremos mais informações em Breve.



quarta-feira, 21 de maio de 2014

Panfleto: contra a restrição da Meia-Entrada!

sábado, 17 de maio de 2014

Por bandejão,passe-livre e melhorias na infra-estrutura do IFF, estudantes de Cabo Frio ocupam rodovia e paralisam as aulas.

    Na última quinta feira, dia 15 de Maio centenas de estudantes do campus Cabo Frio do IF Fluminense realizaram uma paralisação durante todo o dia, a adesão foi tão grande que não houve aula deste dia. Durante a paralisação, os estudantes realizaram um campeonato de futsal para denunciar e reivindicar  a obra da cobertura da quadra da escola e  a tarde ocuparam a estrada que fica próximo ao IFF e liga Búzios à Cabo Frio. O dia foi de muita luta. Luta pelo BANDEJÃO, pelo PASSE-LIVRE LIVRE DE VERDADE, por mais investimento na estrutura do instituto, pela construção de novo prédio com auditório maior que o atual e salas de aula que atendam a demanda e expansão do campus. 
   Cantando “o frescão; não vai passar; enquanto eu não puder entrar!” os estudantes protestavam contra os ônibus que custam 6 reais e não aceitam o cartão de estudante.
     O Grêmio Estudantil Síntese e a FENET coordenou as atividades e está na rua pra mudar a educação! Por uma educação pública, gratuita, universal, de qualidade, libertadora, democrática, laica e integral! CONTRA AS TARIFAS E ROLETAS NA VIDA DO ESTUDANTES!  



Acesse o facebook do grêmio estudantil Síntese e saiba mais:  http://facebook.com/gremiosintese

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Estudantes do IFRJ insatisfeitos fazem ato almoção e ocupam a reitoria

Na última semana o IFRJ esteve repleto de manifestações e decisões de extrema importância. Sexta-feira (09.05), foi realizado o Ato Almoção, onde foi denunciada a péssima política de assistência estudantil, neste ato, o Grêmio Estudantil Elisabetta Bonnante (Campus Maracanã) organizou um churrasco e vendeu cada pratinho ao preço de R$ 1,00.  Na terça-feira (13.05) a greve dos servidores foi deflagrada no Instituto e foi veiculado pelos meios de comunicação a notícia do escândalo de roubo de 1 milhão de reais da reitoria, onde a Polícia Federal indiciou o ex-reitor Fernando Gusmão e seu pró-reitor Dario Kunzler. Com isso, o Grêmio Estudantil Elisabetta Bonnante, realizou uma Assembléia Estudantil que contou com 400 estudantes, onde foram convidados os outros grêmios do instituto para discutir a política de assistência estudantil, a posição dos estudantes sobre a greve, a acusação e a investigação do ex-reitor.
Foi destacado a todo momento também que em nenhum momento os estudantes do IFRJ admitiriam um interventor do MEC na reitoria do IFRJ, tendo em vista que o novo reitor eleito Paulo Assis, tinha tomado posse no dia anterior. Como resultado da assembléia, foi organizado um ato do Instituto até a sede da Reitoria, cantando "Não é mole não o reitor foi pra Orlando e eu fiquei sem bandejão", os estudantes ocuparam a mesma. (É preciso destacar que os estudantes cantaram isso, porque assim que foi revelada a investigação da Polícia Federal o ex reitor viajou para Orlando - EUA).


Uma esquipe de 6 estudantes (representando a FENET, os Grêmios do Macacanã, Nilópolis, Duque de Caxias e São Gonçalo) foi recebida pelo atual Reitor. Na reunião foram pautados os seguintes pontos: a segurança ao redor dos campi, maior investimento em infra estrutura, o aumento em quantidade e valor das bolsas nos campi, a construção de bandejões nos campi, transparência e gestão democrática nas ações e orçamento da reitoria. Como resposta, foi dada a garantia de que seriam vistas junto com a Diretoria de Assistência Estudantil, setor criado no dia pelo novo reitor, e seria discutido com todos os grêmios e Centros Acadêmicos de todos os campi juntos em reuniões mensais, sendo a próxima para daqui um mês. Foi conquistada a garantia dos estudantes participarem da reconstrução do calendário acadêmico no retorno da greve. 
Agradecemos a todos os estudantes presentes! Agradecemos aos professores que estiveram envolvidos e ao sindicato por nos ceder o carro de som. 
Que essa seja a primeira de muitas vitórias!


Assinam esta matéria
 Grêmio Estudantil do Campus Maracanã
 Grêmio Estudantil do Campus Duque de Caxias
 Grêmio Estudantil do Campus São Gonçalo
 Grêmio Estudantil do Campus Nilópolis
Associação dos Estudantes Secundaristas do Estado do Rio de Janeiro


Estudantes do IFPE- Pesqueira organizam ato por mais investimento em assistência estudantil.

   Na última terça feira, 13 de maio de 2014, estudantes do IFPE campus Pesqueira do nível médio,técnico e superior fizeram uma manifestação para reivindicar os anseios dos alunos,em especial o bandejão e alojamentos para alunos(Que em sua grande maioria são de outra cidade).
   Ao som de tambores e gritando palavras de ordem os cerca de 100 estudantes elegeram uma comissão de 14 alunos,sendo 7 secundaristas e 7 universitários, para esclarecer as pautas da reunião para com a direção do Instituto.
 

Vários dos alunos que estiveram na comissão participaram do último ENET da FENET,que os deixou consciente para lutar em defesa dos seus direitos .Os organizadores do movimento avizam que querem se organizar melhor com os alunos,com um projeto de politização das massas e avisão que caso as suas reivindicações não forem atentidas o bicho vai pegar.Contam com a ajuda do movimento estudantil dos outros campus junto com a FENET e a UESPE para consolidar esta luta que é de todos.

Por Héwerton Paes
Presidente do Grêmio Estudantil Miguel Arráes.

terça-feira, 13 de maio de 2014

SINASEFE APROVA CARTA DE REPÚDIO AO PRONATEC

                                         
O FENET foi convida pelo SINASEFE, sindicato que representa os professores e servidores dos Institutos Federais do país, para apresentar sua posição contraria ao PRONATEC - Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnica e Emprego.O debate gerou uma carta de repúdio a este Programa.

           O GOVERNO ANUNCIOU... A FENET PROTESTOU...PRONATEC É SO CAÔÔÔ.
                                     



                                         CARTA DO SINASEFE: REPÚDIO AO PRONATEC



                                                                                                              Brasília, 27 de abril de 2014.



Ao longo de toda a história brasileira, as políticas de educação profissional têm sido marcadas por ações e programas pulverizados, descontínuos e desarticulados, que se caracterizam por ofertar uma qualificação aligeirada e desintegrada da elevação da escolaridade. Apenas como exemplo, citamos o Programa Intensivo de Preparação da Mão-de-Obra (PIPMO), implementado na Ditadura militar, o Plano Nacional de Educação Profissional (Planfor) do governo Fernando Henrique Cardoso e o Plano Nacional de Qualificação (PNQ) do governo Lula. No governo Dilma, vemos essa história se repetir por meio do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC. A categoria organizada de trabalhadoras e trabalhadores da educação básica federal, representada pelo Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica – SINASEFE – vem a público esclarecer os motivos pelos quais repudia o PRONATEC: 

O Pronatec é um programa elaborado dentro dos gabinetes, sem diálogo com a comunidade acadêmica e os movimentos sociais da educação, e desconsidera suas demandas e bandeiras, entre elas, e uma das mais importantes: dinheiro público para a o Pronatec fortalece a lógica de privatização do público quando, através do Bolsa-Formação, financia, com verbas públicas, cursos de qualificação oferecidos na rede privada e no Sistema Nacional de Aprendizagem do Comércio, da Indústria, entre outros, conhecido como Sistema S, repassando para tais instituições bilhões de reais, pois detêm a maioria esmagadora das matrículas. 

O Pronatec fortalece o ensino privado em detrimento do público quando expande o FIES (Financiamento Estudantil) aos estudantes de ensino técnico para estudarem em escolas particulares, à semelhança do que ocorre nos cursos superiores, e por meio do FIES Técnico Empresa faz empréstimos aos empresários para a capacitação de seu quadro de funcionários, focada nos processos produtivos específicos da empresa, ao invés de concentrar esforços na ampliação da oferta de vagas na rede pública de ensino. 

O Pronatec tem caráter eleitoreiro, pois promete atingir cerca de 8 milhões de jovens e adultos, mas desconsidera as reais necessidades de formação e de trabalho desse público. Embora as propagandas desse programa anunciem seu objetivo de fortalecer o ensino médio, na prática não é isso o que se vê. Majoritariamente, os cursos ofertados pelo Pronatec, tanto nas instituições públicas quanto privadas, são cursos aligeirados de qualificação, para atender a uma suposta demanda do mercado de trabalho local e/ou nacional. O programa está dissociado do sistema educacional e, portanto, nega a oferta de uma educação integral, que contribua para o atendimento de uma necessidade histórica das trabalhadoras e dos trabalhadores brasileiros, que é a elevação de sua escolaridade, através da garantia do direito à educação básica, incluindo o ensino médio. 

A rapidez e o tecnicismo que marcam a oferta dos cursos do Pronatec, vão na contra mão de um processo formativo que objetive a formação humana integral, em que o trabalho, e não o emprego, tenha centralidade e seja tomado como princípio educativo, integrado às dimensões da cultura, da ciência e da tecnologia. 

Somos contra o Pronatec, pois ele precariza as relações e as condições de trabalho de milhares de servidores públicos e servidoras públicas dos Institutos Federais, ao estimular jornadas extras de trabalho em troca de bolsas, que não se caracterizam como salário e nem configuram vínculo empregatício, flexibilizando e fragilizando direitos trabalhistas.

A sobrecarga de trabalho dos servidores e das servidoras, provocada pela oferta do Pronatec, além de contribuir para o maior adoecimento dessa categoria, também precariza a qualidade do ensino e do atendimento aos estudantes, comprometendo o processo educativo. 

Rejeitamos o Pronatec, pois ele não é capaz de oferecer à população jovem e adulta brasileira uma formação correspondente aos seus direitos. Direitos de acesso à educação básica completa, de qualidade, não apenas gratuita, mas efetivamente pública. 

Por fim, repudiamos a postura do Governo Federal quando incentiva uma “oferta compulsória” do Pronatec aos Institutos Federais, atrelando os recursos destinados aos cursos regulares à oferta do Pronatec, conforme previsto no Ofício Circular nº 17/2013 de 18 de março de 2013 da SETEC/MEC. 

Defendemos uma política de educação profissional que utilize os recursos públicos para ofortalecimento das escolas públicas como centro da atuação do Estado no atendimento às demandas de formação profissional da população jovem e adulta. Uma política que promova processos formativos centrados no ser humano em sua integralidade, para além de uma capacitação pragmática e imediatista exigida pelos postos de trabalho do mercado capitalista. 

Lutamos pela melhoria nas condições de trabalho e de vida de todos os trabalhadores e trabalhadoras brasileiras e por isso não podemos coadunar com um programa que vai em direção contrária aos nossos princípios. O Sinasefe seguirá em luta por uma educação efetivamente pública, laica, gratuita, de qualidade e socialmente referenciada! 





sexta-feira, 9 de maio de 2014

Estudantes ocupam a reitoria do IFPE pela construção do Bandejão

Estudantes do Instituto Federal de Pernambuco do Campus Recife, organizaram uma ocupação a reitoria do IF pela abertura do Bandejão. Aproximadamente 200 alunos no início da tarde da quarta-feira dia 30 de Abril com cartazes e muita animação, pediram a instalação de um restaurante estudantil na sede do IFPE Recife. Fruto de muita pressão uma comissão dos estudantes foram recebidos pela Reitora Cláudia Sansi, para discutir as pautas de reivindicações. Após a comissão de estudantes expor a necessidade da abertura do Bandejão e que está é uma reivindicação antiga dos estudantes, a Reitora Cláudia se comprometeu em se empenhar para que o mais rápido possível seja aberto.

Segundo João Paulo diretor da Federação Nacional dos Estudantes de Escolas Técnicas (FENET) “O campus Recife é o maior campus de IF do país, com 8 mil alunos. Em Pernambuco, o instituto conta com cerca de 25 mil estudantes e o maior campus não tem restaurante para os estudantes o que fica caracterizado uma vergonha”.

Toda está luta já vem tendo resultados, após a ocupação além da reitora se comprometer em caráter de urgência realizar abertura do Bandejão. A reitoria solicitou o nome de 5 estudantes para emitir uma portaria formando a comissão de estudantes que vão acompanhar o processo de abertura do Bandejão.

Danilo Tenório do Movimento Nova Geração, movimento de estudantes do IF recife, fala sobre a ocupação “A ocupação demonstrou que quando o estudante se organiza e luta pelos seus direitos, conseguem conquistas, estamos a anos querendo o Bandejão, após a ocupação a reitoria disse que construiria em caráter de urgência” e disse mais “já foi uma grande vitória não só do Movimento Nova Geração, mas de todos os estudantes que participaram do ato. O IFPE-RECIFE a muito tempo precisa de um restaurante estudantil e agora demos passo neste sentido. Vamos continuar lutando não só pelo bandejão mas por todas as reivindicações dos estudantes do IFPE-Recife”.

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More